Primeiro?

A gente nunca esquece das primeiras vezes. Então, lá vai o meu primeiro guest post!
Obrigado ao meu melhor amigo e sócio, Juliano, pela força de sempre, às outras sócias lindas, a Christina e a Suzana, por viverem comigo este sonho que é a LingoHaus! E, claro, à Sheila, pelo convite que me deixou bastante orgulhoso.
Não é o Oscar, mas com certeza é algo de que me orgulhar.
Anúncios

De quem é a culpa?

“Também, ela tava vestida com roupa de vadia!”

“Vamos por analogia: se há um cara vestido com uma corrente de ouro, outro meio molambento e outro com um segurança do lado, quem é que o ladrão vai atacar? É a mesma coisa com um estuprador: nenhuma mulher merece ser estuprada, mas se tá com a bunda de fora, tá mais propensa, tô certo?”

Tenho evitado entrar nesta polêmica, porque sou ferrenhamente contra posições machistas e tento não me estressar com essas coisas, mas ao ouvir este comentário, não consegui ficar calado. Bora provar por que esta ideia está errada agora? Beleza!

Hoje, estava assistindo ao Jornal Hoje e, depois de indicarem a pesquisa sobre a opinião do brasileiro acerca do estupro, apresentaram outra pesquisa, que aponta suas causas. E adivinhem só: o culpado pelo estupro é o estuprador, não a mulher “com roupa de vadia”! Impressionante, não?

Vou usar uma analogia igualmente chocante — eu sei que estou pegando pesado, mas esse tipo de mentalidade precisa ser quebrada de uma vez por todas: uma criancinha violentada por um familiar.

Qual está mais propensa a ser violada? A resposta é: depende. Depende dos FATORES AMBIENTAIS, pessoal. Não é porque a criancinha estava chupando um pirulito no parquinho ou porque a mulher estava vestindo meia-arrastão sem calcinha que ela está mais propensa!

O estupro é um crime extremamente covarde e se baseia essencialmente em fatores ambientais (fora a psicopatia louca do violador!). Ou seja, se a violada estiver sozinha e em um local de pouco movimento, não importa se ela está vestida de freira, com uma burca ou se está seminua. Se houver um louco desses por perto, o pior pode acontecer e não é a roupa (ou falta dela) que vai fazer a diferença.

Se a roupa influenciasse alguma coisa, mulheres de países muçulmanos não seriam violadas. E — pasmem novamente — alegam que o aumento dos estupros dessas mulheres aumentou porque começaram a usar rímel!

Portanto, vamos parar de ser hipócritas e dizer que a culpa da violência é da vítima! Mulher pode se vestir como bem entender!!

O que é necessário — de verdade e pra ontem — é mudar o pensamento tacanho, retrógrado e machista de que a sociedade tem direito sobre o corpo da mulher!

A luta real é pra que os homens parem de mexer com a moça que anda na rua, não encoxem a mulher que está indo do trabalho pra faculdade ou a dona de casa que volta do mercado com carrinho de bebê e ouve um grito de “gostosa” de um cara que passou buzinando com seu Gol 1000!

E nem vou comentar o absurdo que são os “vagões rosa”, exclusivos pra mulheres. Segregar mulheres, como gado, porque os homens não conseguem conter seus hormônios sem gravar um vídeo debaixo da saia da menina? Fala sério!!

Tá tudo muito errado e estou muito triste!

feminism2